segunda-feira, 29 de julho de 2013

PENSANDO...

PENSANDO...



PENSANDO...

PENSANDO...


PENSANDO...

PENSANDO...



PENSANDO...

PENSANDO...


PENSANDO...

PENSANDO...


PENSANDO...

PENSANDO...


PENSANDO...

PENSANDO...


PENSANDO...

PENSANDO...


PENSANDO...

PENSANDO...


PENSANDO...

PENSANDO...


PENSANDO...

PENSANDO...


PENSANDO...

PENSANDO...


PENSANDO...

PENSANDO...


AOS AMIGOS VIRTUAIS, PELA VIRTUDE DA AMIZADE

AOS AMIGOS VIRTUAIS, PELA VIRTUDE DA AMIZADE



PENSANDO...

PENSANDO...


PENSANDO...

PENSANDO...


PENSANDO...

PENSANDO...



PENSANDO...

PENSANDO...


PENSANDO...

PENSANDO...


PENSANDO...

PENSANDO...


PENSANDO...

PENSANDO...


PENSANDO...

PENSANDO...



PENSANDO...

PENSANDO...


PENSANDO...

PENSANDO...


PENSANDO...

PENSANDO...

sábado, 27 de julho de 2013

POR QUE SONHAR?

POR QUE SONHAR?
                                             "Somos feitos da mesma matéria que compõe os sonhos, e
                                               nossa breve vida está envolta em sono".
                                                William Shakespeare


                          Não creio que ter "os pés na lua” seja um defeito. Pelo contrário, acredito que o mundo seja construído pelos sonhos dos que têm coragem de sonhar! E não sei se isso é bom ou ruim. Ou se tende a merecer justificativa.
                      Quando nossa alma silencia, penso que ela ouve os sonhos que sussurram entre si, como se pairassem em algum lugar intocado pela falta de fé. Eles, os sonhos, ficariam nesse espaço pelo tempo que nosso descuido se encarrega de esquecê-los. Mesmo os que se dizem com "os pés no chão" visitariam esse espaço. Para nos mantermos humanos haveríamos de promover alguma ligação com as brumas da esperança.
                       Percebem? Os meus pés desnudos grudaram na lua desde antes de eu vir para cá... se é que vim. Então, a realidade é aquela que eu crio de acordo com as minhas necessidades mais ou menos necessárias, conscientes ou inconscientes.
                  As brumas da esperança têm criado formas diversas, assumem vozes diferentes, desenham rostos entre os que passam através delas.
                 Queria entender os sonhos todos: os que parecem bons e os que parecem ruins. Queria entender como eles se desgrudam da forma subjetiva, imponderável, típica do lugar de onde vêm e se manifestam aqui, onde acreditamos se tornem reais. Fomos “acostumados” a pensar que os sonhos, por si só, têm uma conotação altruística, construtiva, benigna. Mas a ordem do que parece real no espaço das manifestações tem raízes que não se expõem. E sonho é matéria imaterial: ganha raízes que se plantam boas ou prejudiciais.
                     O quê podem sonhar as crianças nesse comum espaço humano denominado obrigatoriamente de sociedade? Talvez, consigam sonhar de acordo com o quê a idade lhes mostra, com o quê a vida lhes traz, com o quê pensam que é de verdade e o que acreditam não ser; sobre o que nunca viram, mas desejam criar. As crianças também podem estar com os "pés na lua" e a cabeça aqui, encostada em um lugar concreto demais para os sonhos que as acompanham.
                 Algumas crianças sentem mais do que outras: almas sensíveis debatem-se entre os muros erguidos pela necessária e imperiosa ordem do crescimento inevitável. Doutrinam-se ou deletam-se os sonhos bons como prévio sustentáculo para o quê vem à frente no espaço da experiência diária, na qual, os sonhos bons estão perdendo  para os maus sonhos ou para os sonhos inexistentes.
                    Ausência de sonhos cria vácuos que desenterram pesadelos.  E estamos nos preparando cada vez mais para eles.
                          _ Não sonhe, meu filho! A vida é feita de fatos reais.
                          _ Não sonhe, meu filho! Você precisa enfrentar a realidade!
                          _ Não sonhe, meu filho! A vida é dura e cruel.
                          _ Não sonhe, meu filho! Você precisa ser forte!
                          _ Não sonhe, meu filho! Você precisa crescer!
                          _ Não sonhe, meu filho! Quem sonha sofre, e não chega a lugar algum!
               A ordem letal é: ENDURECER! MATAR OS SONHOS PARA QUE CONTINUEM CAINDO SOBRE AS NOSSAS CABEÇAS EM FORMA DE BALAS PERDIDAS, BALAS DIRIGIDAS, DROGAS PERMITIDAS, DROGAS ESCONDIDAS. Que sejamos cada vez mais FORTES diante do pesadelo de estarmos humanos.  ENDUREÇAMO-NOS para continuar vivendo com os pés na rua, na terra crua, longe de qualquer sonho de evolução.
                     Enterramos a humanidade e a sensibilidade desce ao mesmo túmulo, pisoteada pelo medo que faz sofrer antes do sofrimento chegar. Estamos preparados para a “demanda” do choro que explode nos pesadelos marinados em caldos de realidade, para as explicações comportamentais, para as teorias antropológicas que definem o homem enquanto homem e ser animal; estamos preparados para carregar flores e velas, vestir camisas brancas, escrever cartazes comoventes, chorar em público, dar as mãos.
                     Estamos preparados para o resultado acerca do que criamos enterrando cada vez mais fundo a sensibilidade, essa farpa condicionada à realidade dos que sonham e que deve, precisa, urge!, seja delegada à extinção. Sentir é deixar espaço para as manifestações que se desqualificam diante da razão. E ambas, razão e sensibilidade, parecem definir espaços tridimensionalmente distantes, impróprios, distintos e imponderáveis nas ondas de experiências que o homem luta para levar a contento. Ou uma ou outra. As duas “coisificaram-se” em ideias e conceitos distantes que atrasam as previsões para os pesadelos que não vêm a cavalo. Chegaram. Estão aí. Somos afogados por eles sem que a lucidez nos atinja em um único rasgo de sanidade.
                        Sonhos bons são redondos e desconhecem limites quadrados, angulosos, determinados. Sonhos bons são fluídos e tocam, contagiam, empolgam, iluminam. Deveriam tornar-se programa obrigatório nas escolas, na vida, nas calçadas, nas ruas.
                       Os sensíveis não são lunáticos, a não ser na visão dos enterrados em si mesmos. E eis aí, aí mesmo, o endereço do túmulo pisoteado. 
                          Por que sonhar?        
                                                         
                                                         

                                                                     
                                                  



quinta-feira, 25 de julho de 2013

AOS QUE ESCREVEM POR AMOR ÀS PALAVRAS

AOS QUE ESCREVEM POR AMOR ÀS PALAVRAS



AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS

AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS


AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS

AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS


AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS

AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS



AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS

AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS



AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS

AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS



AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS

AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS


AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS

AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS



AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS

AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS


AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS

AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS


AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS

AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS


AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS

AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS


AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS

AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS



AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS

AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS


AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS

AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS


AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS

AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS


AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS

AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS


AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS

AOS QUE FAZEM DAS PALAVRAS UM PINCEL CARREGADO DE TINTAS