domingo, 29 de setembro de 2013

ALÔ, ALÔ MARCIANO...

           ASSIM NA TERRA COMO NO CÉU    
                                                                               “Alô, alô, marciano,
                                                                                 aqui quem fala é da Terra
                                                                                  prá variar estamos em guerra...”
                                                                          (música de Rita Lee, sucesso de
                                                                                            Elis Regina)
                                        

                                                    Ah! Tenho gostado visceralmente mais e mais e ainda mais de filmes de ficção. Como uma catarse invertida, a consciência sobre o ficcional que beira o improvável (quando literalmente não o é), afasta-me das condições medievais de nosso comportamento triste, roto e repetitivo. Assunto gasto, mas em pauta quente como se o forno de nossas emoções moldasse sozinho as intempéries emocionais: caricaturas do inaceitável e provável mundo animal.
                                                     Infelizmente, quando o filme termina e a pipoca já perdeu o sabor, volto para um conflito pessoal: ouvir os pássaros cantando como se aqui em baixo acompanhássemos a harmonia sonora de quem olha de cima. Absolutamente, não quero deixar de ouvi-los, mas igualmente, não quero enfrentar a colisão com o espectro extra-humano da terrestre improbidade. A natureza humana é dual. Trial (termo comum ao universo linguístico quando o eu e o tu de determinadas línguas envolvem especificamente um terceiro elemento). A natureza humana é plural: a síntese está na multiplicidade ambivalente, inconsistente e subjetiva de sua configuração sem previsão de reset. Ou seja, a macróbia e bíblica briga entre o bem e o mal, desenvolve faces descarnadas na disputa por espaço com novos aspectos decorrentes de nossa natureza ímpar. Os pássaros cantam.
                                                     Tememos uma invasão alienígena? Somos nós os aliens dotados da devastadora capacidade de aspergir veneno como se fosse açúcar de confeiteiro. Sem exageros, penso na maldade às vezes indelével do bullyng, do assédio, da cobrança por padrões de beleza, sucesso, riqueza, de felicidade ebúrnea. O motivo desta destilação textual é um acontecimento sem efeito sanguinolento, sem proporções catastróficas, graças aos céus!,  mas não menos danoso e eloquente. Por si só, na minha ignóbil leitura de mundo, os Concursos de Misses são uma prova rentável e luminosa de atraso, miopia, decadência, bronquice, estupidez, cegueira, estreiteza, ablepsia, turvamento, desinformação, boçalidade entre outros lexemas bem guardados no dicionário da língua viva. Pois, a leitura é minha. Eu penso o quê penso e pago o preço por fazê-lo: não há vencedores em uma guerra, seja ela qual for; não falta alimento no mundo, sobra ganância; o problema não são os políticos corruptos, mas os eleitores sem vontade política; a balança da justiça não está desequilibrada, o conceito perdeu efeito, tornou-se manco, insalubre e tendencioso; as drogas não matam, os usuários mortos enriquecem a vida dos atravessadores; a beleza não é essencial, foi o Vinícius que se tornou imortal; a miss de Minas Gerais não é gorda, mas o povo esqueceu que a maldade aparece assim, no canto da esquina das bocas venenosas. Aos brados retumbantes de “baleia”, um pequeno e doloroso conflito deve ter encontrado eco dentro e fora do corpo esguio da bela mineira: gorda? Ela? E se fosse? Sim, estamos em guerra! Uma guerra surda e fedorenta contra a maldade individual, pano de fundo para o mal coletivo que ganha força nas vozes sem discurso: padrões medievais?
                                     Os marcianos não ouviram o clamor da Pimentinha que celebrizou a música construída por Rita Lee em momento de história pessoal que vale ser conhecida. Nenhuma guerra entrona um vencedor. Coroam-se os perdedores, todos aqueles que negam a premissa sem precedentes da assertiva metafórica e inconclusa: “assim na Terra como no céu”.  


sábado, 28 de setembro de 2013

CONVITE

CONVITE LANÇAMENTO ANTOLOGIA  /ITÁLIA

Lançamento oficial da 2° antologia bilíngue da A.C.I.MA.  que conta com a participação de vários autores, entre eles IVANE LAURETE PEROTTI, com o conto O FAZEDOR DE SANTOS.
DATA:05 outubro 2013 –
Libreria Namastè – h 17:00 – Tortona – AL - Itália




sexta-feira, 27 de setembro de 2013

DE QUEM É A CULPA?

 MINHA MÁXIMA CULPA


                                              

                                              Zelinha era uma daquelas mulheres que sabe sorrir com a alma. Bom, melhor dizer o que ela mesma diz:
                                               _ Eu sabia sorrir! Sabia!

                                                Segundo as falas de Zelinha, sua alma transbordara em sorrisos, alegria, boas amizades e todo o restante das manifestações que fazem a vida valer a pena ser vivida. Zelinha sabia viver, até o dia em que decidiu desposar Aureliano.
                                                Existe um axioma popular que determina o início dessa história ainda real:
   
                                                _ Água e vinho não se misturam, minha filha. Não se misturam!

                                                _ Ora, minha mãe! Não é água e vinho. É água e óleo!

                                                 _ Que seja! Estou dizendo que muitas misturas não dão certo.

                                                 _ Mas ele é tão bonzinho...

                                                 _ Bonzinho não é a palavra certa.

                                                 _ Mas... é honesto.

                                                 _ Sim! É!

                                                 _ Então, mamãe! Se ele é a água e eu o vinho...

                                                 _ O óleo!

                                                 _ Não! Prefiro o vinho...

                                                 _ Hum!!!

                                                 _ Talvez a mistura faça bem para nós dois.

                                                 _ Desde quando você gosta de água tingida?

                                                 _ Você está sendo severa, mãe!

                                                 _ Melhor você pensar... agora ainda dá tempo de desistir.

                                                 _ Eu gosto dele!

                                                 _ ...

                                                 _ Às vezes ele me lembra o papai.

                                                 _ Nunca! Seu pai gostava de vinho puro e...

                                                 _ E, o que?

                                                 _ Seu pai era um homem vivo!

                                                 _ Mamãe!?

                                                 _ E sabia abrir a boca para conversar.

                                                 _ ...

    
                                                 Esse era um ponto.
                                                 Zelinha pensava que por trás do silêncio de Aureliano estava uma grande, absoluta e quase intocável timidez. Timidez essa que a alegria contagiante expressada em sorrisos, bom gosto musical, inclinação para as danças quentes e movimentadas fariam por cavoucar, extrair, arrancar.

                                                  _ Você não é tímido!

                                                  _ ...

                                                  _ Você é egoísta!

                                                  _...

                                                  _ Meu Deus, Aureliano. Você não abre a boca nem mesmo para se defender?

                                                  _ ...

                                                  _ Eu respeito o seu jeito, mas nós dois precisamos conversar.

                                                  _ ...



                                                  _ Você é o meu parceiro, eu quero conversar com você!

                                                  _ ...

                                                  _ Casei com você para sempre! Nós vamos envelhecer e precisar um do outro...

                                                  _ Estou me sentindo sozinha!

                                                  _...

                                                  _ Está bem que você não goste de nem de vinho, nem de água, nem de óleo, nem de azeite...

                                                  _ ...

                                                  _ Eu não sei do que você gosta!

                                                  _ ...

                                                 _ Aureliano, olha para mim!

                                                 _ ...


                                                 Quarenta e oito anos depois, com um rol de diálogos traduzidos pelo silêncio de Aureliano e as tentativas de Zelinha ela entendeu o incompreensível:

                                                  _ Você não sabe se está vivo, Aureliano.

                                                  _ Au! Au! au!



                                                  _ Bonitos vocês dois! Diz para o seu cachorro que eu não quero que ele se meta na conversa!

                                                 _ Au! Au! Au!

                                                 _ Desisto!

                                                 De acordo com Zelinha, desistir também era uma forma de aceitar o que não poderia mudar. Tentara, e quem a conhecia sabia do esforço que fizera durante mais de quatro décadas.
                                                 Esforçara-se para descobrir do que Aureliano gostava. Incentivara-o a participar do que ela gostava. Tentara descobrir com ele novos gostos. Buscara amigos que gostavam deles e queriam ajudar na empreitada de devolver a alegria à mulher que soubera sorrir. Buscara ajuda para Aureliano descobrir sozinho.
                                                Nada!
                                                Ou melhor: tudo estava perfeito da forma que estava, para o Aureliano, claro!
                                                Ele vivia da forma que gostava. Vivia bem, segundo olhares externos. Não mostrava sinais de qualquer tristeza, de enfado, de desconcerto, de cansaço... tanto quanto não apresentava qualquer outro sinal. Aureliano vivia. Simplesmente vivia, como que sugando o ar que lhe passava sem pressa e preço pela frente das narinas.
                                                 E parecia viver ainda melhor desde o dia em que descobrira sua afinidade visceral com os mamíferos da raça canina.

                                                 _ Eu não quero esse cachorro na nossa cama!

                                                 _ ...


                                                 _ Não quero!

                                                 _ Au! Au! Au!

                                                 _ Ora! Você pare de latir que a conversa ainda não chegou aí.

                                                Chegara! A conversa chegara até o universo canino dos vira-latas que Aureliano trouxera de algum lugar. Chegara e fazia efeito sobre as percepções do bicho.

                                                 _ Pode uma coisa dessas? O seu cachorro me responde e você, depois de todos esses anos continua sem falar nada!

                                                 _ Au! Au! Au!

                                                 Era demais para Zelinha. Tudo bem aceitar o marido mudo, quieto e parado já que não havia escolha. Mas deixar um cachorro ocupar o seu lugar na cama, já era demais até para ela, escolada em paciência e boa vontade!

                                                 Conversou com o filho que a apoiou inconteste. Era também difícil para ele conviver com aquele pai silencioso que em nada expressava estar ciente da vida que levava.

                                                 _ Ele não é doente, mamãe! Simplesmente é o jeito dele!

                                                _ Que ele não é doente, eu sei. Mas eu estou ficando.


                                                Sabia disso!
                                                Não havia dúvidas sobre a distância que Zelinha e Aureliano mantinham vivendo juntos há tanto tempo. Quem os conhecia lamentava a situação que sombreava dia a dia o semblante antes iluminado de Zelinha.
                                                Ela deixara de dançar, para não ofender a honra de Aureliano e a sua própria: mulher casada deve ficar com o marido. Sim, ela ficara!
                                                Deixara de sorrir, por que fora perdendo o viço que lhe subia da alma. Sorrir sozinha? Para quem e por que motivo? Mulher casada se comporta como mulher casada!
                                                Deixara de ir a festas porque Aureliano não a acompanhava. Mulher de família acompanha o marido. Ela acompanhara, na solidão em que sua vida se transformara.

                                                O filho, como todo filho, cresceu rápido demais e tomou o próprio rumo. Zelinha só tivera um filho, um único filho para alegrar sua existência. Nem sabia exatamente como e por qual milagre o tivera, pois Aureliano também esquecia de comparecer em suas obrigações maritais.

                                                 _ A partir de hoje, vou dormir em quarto separado.

                                                 _ ...

                                                 _ Ouviu, Aureliano?

                                                 _ Au!Au!Au!

                                                 _ Você, eu sei que ouviu, não é!?


                                                _ Au!Au!Au!

                                                _ Mas é claro! A cama agora é toda sua!

                                                _ Au!Au!Au!

                                                _ Minha nossa! Estou conversando com um cachorro! Acho que fiquei maluca!

                                                _ Au!Au!Au!

                                                _ Você não acha nada, Totó! Nada!

                                                Para garantir a sua sanidade mental, Zelinha esmerou-se em organizar o novo quarto. Com a ajuda do filho e da nora, pintou as paredes de uma cor viva, alegre, aberta. Comprou uma cama de viúva...

                                                 _ Mamãe!

                                                 _ Meu filho, eu sou realista! Realista!

                                                  Com o apoio da nora, instalou um computador, conectou-se a todas as redes sociais disponíveis, assinou canais pagos de televisão, reformou o antigo aparelho de som e...

                                                  _ Estou virando gente!

                                                  _ Não exagera, mãe!

                                                  _ Isso é pouco, meu filho. Muito pouco.


                                                  Ainda com a ajuda da esposa do filho, aprendeu a acessar as músicas que gostava via internet, a enviar e-mails com anexo em alta velocidade e a usar a câmera do computador.

                                                   _ Mamãe, será que precisa instalar essa câmera?

                                                   _ Por que não?

                                                   _ E por que sim?

                                                   _ Deixe sua mãe, meu amor. Ela está se relacionando com o mundo. Deixe.

                                                   _ Ah! Vocês duas...

                                                   _ Cuidado, meu filho. Um percentual seu é do Aureliano.

                                                   _ Ô!, mamãe, só estou preocupado com a sua segurança!

                                                   _ Há quase cinquenta anos estou segura demais! Demais!

                                                   _ Mãe...

                                                   _ Você sabe que tenho razão!

                                                 
                                                  Zelinha tinha razão. A última vez em que arriscara em alguma situação na vida fora no dia em que, a despeito de todas as falas de sua mãe e conhecidos, aceitara casar com Aureliano. Arriscara e descobrira que suas tendências para a sorte, segundo ela mesma, não se destinavam ao universo marital. Sorte no amor? E quem imaginaria ser possível arriscar em um contexto tão... tão...

                                                  _ Tão improvável! Movediço!

                                                  _ Mamãe! Eu sou o resultado de seu casamento.

                                                  _ Para ter você eu não precisaria ter casado...

                                                  _ Mãe!?

                                                  _ Não se faça de desentendido, meu filho! É isso mesmo! Eu casei sem conhecer o seu pai.

                                                  _ Está vendo? A responsabilidade também é sua.

                                                  _ Eu nunca disse que não era. Se eu soubesse o que sei hoje, teria mandado o seu pai  para a p...

                                                  _ Mamãe!

                                                  _ Palavrões fazem bem à saúde. Limpam a garganta e desanuviam a alma.

                                                  _ ...

                                                  _ Você também deveria dizer alguns vez ou outra. Faz bem!


                                                  _ Você mesma me ensinou o contrário.

                                                  _ Erros de percurso, meu filho. Erros de percurso.

                                                   Zelinha montou o quarto a seu gosto e prazer completo. Nada faltava na fase da independente convivência com Aureliano e seu cachorro vira-latas.
                                                   O cachorro, pobre animal, não poderia ser penalizado pelo dono que o representava.
                                                  Verdade verdadeira, ela não sabia exatamente quem comandava quem, quem representava quem, mas na dúvida, a responsabilidade legal recaía sobre o de duas patas. Dos dois, sua apreciação tendia, em momentos de silêncio e paz, a quedar-se sobre o Totó, ser iracional, indefeso, sem muitas escolhas. Um vira-lata cuja fidelidade ela admirava. Olhar para dentro daquela alma canina a levava a conjecturas sobre as atitudes de Aureliano: teria levado o cachorro para a cama de casal por que desejava que ela, Zelinha, deixasse o leito? Porque preferia a companhia do cachorro a dela?
                                                  Não tinha dúvidas sobre a assertiva das duas questões, mas será que Aureliano usara o cachorro para economizar o contato verbal? Sim, pois o visual era manifestação inválida na vida dele desde há muito e muito tempo.
                                                  O quarto era um espaço próprio, único, independente. Sua identidade amarfanhada agora tinha um lugar para resgatar-se. Vivia sozinha a dois fazia tanto tempo que dar-se o luxo de não sofrer mais quase, quase, quase gerou culpa. Gerou, mas tratou de empurrar o sentimento que surgia em situações específicas para a “ilha” de quadros passados e presentes que amparavam os movimentos de sua libertação. Ilha essa que ainda sofria maremotos com algumas lembranças e presenças de sua condição de “mulher do Aureliano”.
                                                 Em algum lugar da cidade, por todas as razões que explicam uma cidade pequena, uma família grande e pessoas interessadas na vida alheia, havia alguém pronto para perguntar-lhe:

                                                 _ E o Aureliano, melhorou?

                                                 _ E ele estava mal?

                                                 _ Como assim? Você é a mulher dele e não sabe como ele está?

                                                 _ Saber eu sei, mas não foi isso que você perguntou.

                                                 _ Mas, vocês não moram juntos há cinquenta anos?

                                                 _ Pois é, para você ver. A casa é muito grande.

                                                 _ ...

                                                 
                                                 O olhar espanto-julgamento-condenação não falhava. Mudava de rosto, alterava a duração e o comprimento, mas estava lá! Infalível!
                                                 Falar do marido na rua? Superara essa fase. Aprendera que ao falar de Aureliano vivenciava novamente a situação que contava, tamanha a frustração acumulada pelas décadas de desencanto. E ainda, precisava lidar com um outro olhar, o do tipo “eu não disse?”, sem saber qual das duas situações a enfurecia mais. Dessa forma, optara por se fazer de desentendida, desinformada, desconhecedora de qualquer assunto relativo ao marido.


                                                   _ Sou uma viúva de marido vivo.

                                                   _ Não seja tão radical, sogra.

                                                   _ Mas é a pura verdade, Olívia.

                                                   _ É...

                                                   _ É!

                                                   _ A senhora já tentou, com jeitinho, com muito jeitinho, fazer com que ele...

                                                   _ Com jeitinho, com jeitão, com carinho, com gritos, com pedidos, com ameaças...

                                                   _ É difícil. O sogro é um pouquinho distante!

                                                   _ Um pouquinho? Minha filha, reveja o seu conceito sobre distância!

                                                   _ É...

                                                   _ É só isso. Eu já aceitei. Mas não vou dividir o caixão com ele. Ainda mais um caixão cheio de pelos.

                                                   _ Sogra! Não fale assim. Aqui é sua casa.



                                                   _ Minha casa está fechada há muito tempo, Olívia. Mas não vou ajudá-lo a me enterrar viva também!

                                                   _ Ai!, sogra! Vamos parar com essa conversa pesada.

                                                   Zelinha tentava, mas ainda era pega pelas armadilhas que ela mesma criava. Falar do Aureliano era mais comum do que desejava.

                                                   Decidiu que o marido não entraria em seu espaço.

                                                    _ Quero vocês dois longe de minha porta.

                                                    _ ...

                                                    _ Au!Au!Au!

                                                    _ Entenderam?

                                                    _ ...

                                                    _...

                                                    O silêncio de Totó poderia ser uma negação. Não!, ele não entendera; não!, ele não queria entender; não!,ele entendera e não obedeceria e, portanto o problema estaria instalado mais uma vez.

                                                   _ Eu vou colocar você para fora, Totó! Me respeita ou eu lhe deixo no olho da rua.


                                                   _ Grrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr!!!

                                                   Era a prova de sua desconfiança. Teria outros problemas com o cachorro além dos atuais.

                                                   _ Vou marcar meu território.

                                                   _ Grrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr!!!

                                                   _  Faço xixi aí se for preciso. Mas daqui você não passa!

                                                   A delimitação por dedo em riste e a linha imaginária traçada de uma parede a outra exigiu correção material após a primeira saída de Zelinha.

                                                    _ Quem mandou você sujar o meu tapete?

                                                    _ Grrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr!!!

                                                    _ Tal dono tal cão!

                                                   
                                                    Novamente Zelinha encheu-se de vontade e aumentou o espaço de seu espaço. Tomou como território particular a pequena sala que antecedia o seu quarto. Tomou, particularizou e colocou uma porta segura para garantir que nada além dela e de quem convidasse pudesse se aproximar do território recém conquistado.

                                                    _ Ninguém mais vai me fazer passar pelo que eu não quero. Nem mesmo você, Totó! Nem mesmo você!


                                                    Espaço ampliado, consciência expandida.
                                                    Zelinha gostou da ideia de aumentar seus domínios e resolveu comemorar a nova conquista:

                                                     _ De grão em grão a galinha enche o papo.

                                                     _ Não entendi, mamãe!

                                                     _ É simples: aos poucos, como quem não quer nada...

                                                     _ Mamãe!

                                                     _ Você está exagerando, meu filho! Sou sua mãe!

                                                    _ É! Ainda bem que você lembra!

                                                     A esposa de Aureliano convidou as duas amigas mais chegadas, companheiras de infortúnios semelhantes em número, grau e gênero, casadas com outros Aurelianos da vida para inaugurarem sua sala de visitas.

                                                     _ Uma sala só para você?

                                                     _ É só uma salinha...

                                                     _ Mas é para você!

                                                     _ Com certeza! Aqui ninguém entra a não ser que eu queira.



                                                     _ Quando você vai tomar o resto da casa?

                                                     _ Bem, a cozinha não me interessa. Afinal, o Aureliano faz comida como ninguém. E a lavanderia... humfp! Deixa lá para ele pensar que ainda tem a maior parte!

                                                     _ Mas...

                                                     _ Devagar, minha amiga! Devagar!

                                                     A novidade se espalhou. Afinal, como já dizia antigas peças da tragicomédia: “muda-se o palco, mas os personagens são os mesmos em histórias que se repetem”.
                                                     Zelinha foi chamada para várias reuniões em grupos de mulheres interessadas na solução pacífica das diversidades domésticas.
                                                     De reunião em reunião ela dividia parte de sua história, especialmente a que explica como deixara de fazer o que gostava e agora se recuperava aprendendo a fazer coisas novas.
                                                     Zelinha conheceu mulheres com histórias parecidas com a sua. Conheceu outros Aurelianos que apesar de não expressarem diretamente o descontentamento que sentiam, deixavam claro que ela poderia ter permanecido onde estava por mais tempo.
                                                      Criou um blog onde escreve suas impressões diárias, responde dúvidas, opina, expõe conselhos, dita receitas de como manter-se a salvo da invasão de identidade em casamentos que amadurecem sem crescer para lado algum.


                                                       Zelinha hoje completa 82 anos de idade e mais e mais algumas décadas de Aureliano.
                                                       Totó morreu de velho. Zelinha, compadecida, presenteou seu marido com uma cachorrinha peluda e cheia de vontades.
                                                        Aureliano tomou-se de tal arrebatamento diante do novo cachorro que tentou esboçar um sorriso de agradecimento.
                                                        Zelinha entendeu: quem não tem gato, dorme com cachorro.
                                                        E afinal, a culpa era dela, só dela se, aos quase noventa anos Aureliano ainda era o mesmo.

                                                        _ Minha culpa, meu filho. Minha máxima culpa!

                                                        _ Mamãe!...