domingo, 2 de outubro de 2016

FRACASSADA VALENTIA



UMA PAUSA PARA O SILÊNCIO

- sem palavras, as sílabas átonas batem em retirada -

“... as palavras voam e às vezes pousam.” Cecília Meireles

                                       Se pelas frases da vida a sabedoria encontrasse maior silêncio, certamente o homem estaria falando pela gramática da coerência. Mas, como tudo o que reflete as condicionantes sintáticas, falar também pressupõe recheio de sentidos. Então, ao verbo, a sua condição de criar e fantasiar.
                                      Contava um sujeito com as pregas da indiferença quando a sua abstração foi interrompida por um menino:
                                      _ Ei! Tio...
                                      _ Não sou seu tio!
                                      _ Eu não disse que você era meu tio.
                                      _ O que você quer, pirralho? Fala logo que tenho mais o que fazer!
                                      _ Mas... o tio não está fazendo nada!
                                      _ Já disse que não sou...
                                      _ Eu entendi, mas você não está fazendo nada!
                                      _ Você me interrompeu só para dizer que...
                                      _ Eu não interrompi, só chamei você!
                                      _ Senhorrrrr! Você chamou o “senhorrrr”!
                                      _ Não! Eu chamei o tio, mesmo!
                                      _ Fala de uma vez. O que você quer?
                                      _ Eu quero votar!
                                      _ O quê?
                                      _ Eu quero votar!
                                       _ Já ouvi! Mas criança não vota. Então, dá o fora!
                                       _ Mas, tio...
                                       _ Dá o fora!
                                       _ Mas... eu...
                                       _ ... fora!
                                      Ao voltar para o lugar que acreditava ocupar, o sujeito não percebeu a porta que se fechava por trás das pequenas mãos que batiam em retirada. Não percebeu, não sentiu e deixou passar a única oportunidade que se lhe fora oferecida incondicionalmente.
                                    Como fazer pensar um homem que não sente?

Ivane Laurete Perotti