sábado, 15 de novembro de 2014

PARA NÃO SER ENTENDIDO... APENAS SENTIDO!!!

           SUBINDO LADEIRA ABAIXO

         - fácil é um conceito que se instala na orla das árduas empreitadas -

            " Tenho o privilégio de não saber quase tudo. E isso explica
               o resto."  Manoel de Barros

                                             As aparências tomam corpo e descem o monte das amoreiras. Cruel solicitude: dá e pede de volta. Entrega e cobra transporte. Finge, mais que tinge, a algibeira do consorte.
                                             Falam coisas banais, coisas da vida comum: o comum da vida. Cingem o topo dos tropeços, invadem a boca do mato, castigam o dono  no ato, afinam o pé no estribo: alarido! Um gemido, dois faróis. Três fantasmas em lençóis.
                                             Galopa forte, vento norte! Volte a sorte corredia! Negue a morte, cante o silvo de um novo dia. Ludibria. Torce a ponta da mania. Justa e curta alforria, garganta aberta : quem diria? Diria!
                                             À luz de engenhocas  salvam-se melros, fecham-se vias, reedita-se antiga agonia em laudas de geometria. Aulas de sonhar sobem a escola de barros, muitos barros para amassar a inteligência tardia.
                                             A quem amaria?
                                             Dona Noca, farinhenta, acorda cedo, frauda a calda da polenta. Mulher sofre, agourenta, na palma da paciência; em cheias do rio azul, águas  levam a calma, os filhos não  sustenta: aguenta! aguenta!  morna paciência!  
                                             Quem  deixaria?
                                             Mãe robusta, Dona Augusta, mãe de todos os punhais. Cala a carne em boca seca, aquece a lenha , despeja a senha, dobra o rosto, fino torso, visceral. Cai a chuva no telhado, molha a lona do curral: rola e cola, além da gola, atravessa vendaval. Dona Augusta, mãe robusta!
                                             Falta juta ao cajado, palha e alho, coisas raras, falhas caras, cetro reto, artesanal. Berimbau: coroa de peito, longo e feito, meio sem jeito, arco  musical.
                                             Alegria: benfeitoria depenada em noite clara de luau. Ai! Medo mau. Lobisomem , outro homem, animal, sentimental.
                                      Depois do enterro, a festa do batizado. Depois da festa, a forca ao condenado. De palavras sem tino, fica o ditado: "...come depressa, tartaruga de conversa... antes que a porca torça o (...). "
                                              /b/ e /d/ em arado de gancho,
                                              volta ao rancho, debrua o tanso, no remanso de água fria.
                                              Desvalia. Não se mede a inteligência pela tripa da sangria. Verde homem sem mestria,  homem velho já dizia: preço bom não se mistura aos trocados da guria. Aprume o bico, Alarico! Primo rico, sem penico.
                                              A carga leva o manco, de tamanco, ao pátio das regalias. Figuram motes, dão folias, todos juntos: Ave-Maria. Repetia o Seu Joaquim: ai de mim! sai assim! Coisas santas não são tantas, valha-me longe, muito longe,  coisa ruim.
                                              Serafim foi um Nonno: pernas à volta do rádio, escutava as notiça ,  em preguiça de sentado. A Nonna chamava a Nenna, com voz de acolchoado, enquanto fervia, lado a  lado, uma vez, mais uma, o súbito chiado. Aloprado.
                                             Tira a noite no folgado. Escala o chão, sela a placa em cada   mão, deita a alma remendada na travessa do colchão; fala a fala, rala, em língua de sabão, caramujo, ou marujo sabichão: obrigado! Obrigado, ao homem das frases lindas, novas, velhas, infindas, coisas de Barros, Manoel!
                                             

                                              " Descobri que todos os caminhos levam à ignorância."
                                                 Manoel de Barros
                                             

    Texto: Ivane Laurete Perotti